quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Namíbia: Actual primeiro-ministro eleito presidente

                                         

Namíbia: Actual primeiro-ministro eleito presidente Hage Geingob, 73 anos, eleito Presidente da Namíbia
O candidato do partido SWAPO e primeiro-ministro em fim de mandato da Namíbia, Hage Geingob, será o próximo presidente do país após ter obtido mais de 86% dos votos, anunciou nesta segunda-feira a Comissão Eleitoral.
As eleições, realizadas na sexta-feira passada, confirmaram a crescente hegemonia do SWAPO, que rege o destino do país desde a sua independência em 1990.
O SWAPO (antigo movimento de libertação e acrônimo inglês de Organização Popular do Sudoeste da África) venceu também as eleições legislativas realizadas no mesmo dia, com 80% dos votos, e ocupará 77 das 96 cadeiras do novo parlamento, segundo informou a televisão pública sul-africana "SABC".
O partido governamental melhora de forma substancial os seus resultados nas eleições presidenciais e legislativas de cinco anos atrás, quando ganhou com mais de 70% dos votos.
O segundo partido com mais deputados foi a conservadora Aliança Democrática (DTA), que surpreendeu ao passar de duas para cinco cadeiras, seguida pelo Movimento para a Democracia e o Progresso (RDP), que conseguiu três vagas.
O presidente em fim de mandato, Hifikipunye Pohamba, qualificou o processo eleitoral de "moderno" e "crível", e considerou-o uma prova de que a democracia "está viva" na Namíbia.
A jornada eleitoral transcorreu sem incidentes maiores naquela que é considerada uma das democracias mais estáveis da África, apesar dos atrasos provocados pelo sistema electrónico utilizado no pleito.
Pela primeira vez na história, um país africano prescindiu das cédulas e votou por meio de um dispositivo totalmente eletrónico.
 

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Novo embaixador de Angola em Moçambique entrega cartas figuradas


Novo embaixador de Angola em Moçambique entrega cartas figuradas Brito António Sozinho, novo embaixador angolano em Moçambique/Foto Angop
O novo embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola em Moçambique, Brito António Sozinho, apresentou esta quinta-feira, as suas cartas figuradas, ao vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Eduardo Koloma.
A cerimónia, que formaliza o início das suas funções, foi aproveitada por ambos os interlocutores para passarem em revista o actual estado das relações político-diplomáticas entre os dois países, que atingiram já o nível de excelência.
Brito António Sozinho expressou o desejo de se imprimir maior dinâmica na implementação dos acordos entre os dois países e em ver reforçados os laços de cooperação e de amizade que unem os governos e os povos irmãos de Angola e Moçambique.
Por seu turno, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique, Eduardo Koloma, fez uma caracterização da actual situação política, económica e social do país e manifestou igualmente o desejo de se consolidar cada vez mais as “excelentes” relações entre os dois países.
O embaixador Brito António Sozinho, que já exerceu iguais funções na Nigéria, Tanzânia, Guiné-Bissau e Suécia, encontra-se em Maputo desde o passado dia 24 de Novembro, devendo apresentar as suas cartas credenciais nos próximos dias.
As relações político-diplomáticas entre Angola e Moçambique datam de 1978, altura em que os dois países assinaram, em Luanda, o primeiro Acordo Geral de Cooperação Económica, Científica, Técnica e Cultural.
Os mais recentes acordos entre os dois países foram rubricados a 21 de Setembro último, em Nova Iorque (EUA), pelo ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Chikoti, e o seu homólogo moçambicano, Oldemiro Balói, sendo um de supressão de vistos em passaportes diplomáticos e de serviço e outro de facilitação de concessão de vistos em passaportes ordinários.

in http://www.rm.co.mz/index.php/outras-noticias/item/8777-novo-embaixador-de-angola-em-mocambique-entrega-cartas-figuradas.html arquivo capturado no dia 28-11-2014

terça-feira, 11 de novembro de 2014

PR homenageia Michel Sata_Zambia

O PRESIDENTE da República, Armando Guebuza, homenageou ontem, em Lusaka, o malogrado presidente zambiano, Michael Sata, falecido a 28 de Outubro último, em Londres, Inglaterra, vítima de doença, e endereçou condolências à viúva, filhos e ao povo deste país pelo sucedido.
Falando à imprensa momentos depois da homenagem e assinatura do livro de condolências, acto que decorreu no palácio presidencial, em Lusaka, Guebuza disse que “estamos aqui para, em nome dos moçambicanos, prestarmos condolências à viúva, filhos e ao povo irmão da Zâmbia pela perca irreparável do presidente Michael Sata”. Na ocasião, o Chefe do Estado moçambicano deixou claro que não fazia nenhum sentido o povo moçambicano se distanciar dos irmãos zambianos nesta fase de dor e tristeza, afirmando que “zambianos e moçambicanos são mesmo povo, com laços de amizade e solidariedade de longa data”.
O Presidente Guebuza juntou-se assim a vários outros estadistas, caso do zimbabweano Robert Mugabe, o ruandês, Paul Kagamé, entre outros, para além do próprio povo zambiano que vem homenageando Sata há sensivelmente nove dias.
Hoje Armando Guebuza estará presente na cerimónia fúnebre de Michael Sata, acto público que terá lugar no estádio “Heróis Nacionais”, em Lusaka, para, depois, presenciar a deposição da urna no cemitério presidencial que compreenderá o disparo de 21 salvas de canhão.
A maioria dos zambianos poderá acompanhar a deposição da urna do malogrado presidente na sua última morada, através do sinal televisivo já que apenas cerca de duas mil pessoas, devidamente credenciadas, terão acesso ao cemitério presidencial.
O Presidente da República, que chegou a Lusaka ao meio da tarde de ontem, regressa a Moçambique amanhã, quarta-feira.
Nesta deslocação, Guebuza é acompanhado pela Ministra na Presidência para os Assuntos Parlamentares, Adelaide Amurane, e pelo vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Eduardo Koloma.
Almiro Mazive, da AIM

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

É OFICIAL: FRELIMO E NYUSI VENCEM ELEIÇÕES em Moçambique


Filipe Nyusi Frelimo



A Frelimo ganhou as eleições gerais em Moçambique, com uma maioria absoluta de 55,97% no parlamento, e o seu candidato, Filipe Nyusi, venceu as presidenciais com 57,03%, segundo os resultados oficiais preliminares hoje divulgados pela Comissão Nacional de Eleições.
A Renamo conserva o estatuto de maior partido de oposição, obtendo 32,49% nas legislativas e o seu líder, Afonso Dhlakama, 36,61% nas presidenciais, enquanto o MDM (Movimento Democrático de Moçambique) consolida a posição de terceira força, com 7,21% no parlamento e 6,36% do seu candidato, Daviz Simango, na corrida à sucessão do actual chefe de Estado, Armando Guebuza.
A Frelimo terá 144 deputados na Assembleia, menos 47 do que o actual grupo parlamentar, a Renamo aumenta a sua presença de 51 para 89 mandatos e o MDM passa de oito para dezassete.
Reagindo ao anúnicio que lhe é favorável, o partido no poder considerou que a sua vitória nas eleições gerais do passado dia 15 reflecte "os resultados que o povo quis", exortando todos os partidos políticos a encararem o desfecho com serenidade.
"Estes são os resultados que o povo moçambicano quis e penso que, nós, os políticos, temos é que encará-los com serenidade e com responsabilidade", disse a mandatária da Frelimo, Verónica Macamo, logo após o anúncio dos resultados eleitorais pela Comissão Nacional de Eleições (CNE).
Congratulando-se repetidamente com a vitória, Macamo disse que a Frelimo e o seu candidato presidencial, Filipe Nyusi, vão retribuir a confiança do eleitorado com trabalho visando criar o bem-estar para o povo.
A Renamo, por sua vez, considerou estes resultados de “fraudulentos” e garantiu que vai impugnar a votação.
"Não reconhecemos estes resultados, porque foram fraudulentos, com certeza que vamos impugnar", disse o mandatário da Renamo, André Majibire, aos jornalistas, imediatamente após o anúncio pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) dos resultados preliminares das eleições gerais.
Daviz Simango, do MDM, por seu turno, afirmou que estes resultados "não são credíveis". "São resultados que não são credíveis, com inúmeros relatos de irregularidades documentados por nós e conhecidos por toda a sociedade, e que foram apontados pela imprensa independente e pelos organismos de observação eleitoral", referiu.
A Frelimo terá 144 deputados na Assembleia, menos 47 do que o atual grupo parlamentar, a Renamo aumenta a sua presença de 51 para 89 mandatos e o MDM passa de oito para dezassete.
A abstenção foi de 51,51% nas legislativas e de 51,36% nas presidenciais.
Os resultados oficiais preliminares hoje apresentados são o fim de um processo de apuramento iniciado a 15 de outubro nas cerca de 17 mil mesas de voto em todo o país, prosseguindo aos níveis distrital e provincial, antes do pronunciamento final da Comissão Nacional de Eleições e que terá de ser ainda validado pelo Conselho Constitucional.

in http://www.rm.co.mz/ no dia 31-10-2014

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

BOTSWANA / IAN KHAMA REELEITO PRESIDENTE

27-10-2014 20:08:53

Gaberone, 27 Out (AIM) - O Presidente do Botswana, Ian Khama, foi reconduzido ao poder depois de vencer as eleições realizadas na sexta-feira, assegurando assim um segundo mandato aos destinos daquele país da região.

Anunciando o facto, Maupin Dibotelo, presidente do Tribunal Supremo do Botswana, revelou que Khama foi reconduzido ao poder, depois de a sua formação política, o Partido Democrático do Botswana (DBP) – conquistar 29 dos 57 assentos em disputa no parlamento.

Falando a televisão e rádio nacional do Botswana, Dibotelo disse que Khama será empossado na terça-feira.

A recém-formada Coligação para Mudanças Democráticas (UDC), liderada por Duma Boko, que contestou pela primeira vez as eleições, obteve 12 assentos no parlamento.

Khama, de 61 anos, não teve apoio significativo nas áreas urbanas, onde os partidos da oposição foram os mais votados.

O BDP está no poder desde a independência do Botswana, em 1965.

Registaram-se para a votação da sexta-feira cerca de 800 mil eleitores, de uma população estimada em dois milhões de habitantes.
(AIM)
TIMES/JD/SG
(AIM)  

in http://noticias.sapo.mz/aim/artigo/10398827102014200853.html

ZÂMBIA DE LUTO: Morreu o Presidente Michael Sata

MORREU na noite de terça-feira o Presidente da Zâmbia, Michael Sata, em Londres, onde recebia tratamento médico há uma semana. O vice-presidente Guy Scott foi ontem designado chefe de Estado interino até a realização de eleições no prazo de 90 dias.
Michael Sata, 77 anos, morreu por volta das 21.00 horas locais, ao lado da sua mulher e família, informou ontem o porta-voz do Governo da Zâmbia, Roland Msiska, em declarações divulgadas pelo “Zambia Daily Mail”.
É a segunda vez que um Presidente em exercício morre na Zâmbia. O Presidente Levy Mwanawasa faleceu enquanto ocupava o cargo em Agosto de 2008.
Sata foi o quinto chefe de Estado da Zâmbia desde a independência do país, que dia 24 último completou 50 anos, em festejos que não contaram com a presença do presidente, que já estava em Londres.
O governante deixara o país dois dias antes das comemorações do jubileu da independência.
Há muito que se falava que Michael Sata estaria gravemente doente, sendo que o Presidente não era visto em público desde o seu regresso da Assembleia Geral da ONU no mês passado, onde, contrariando planos prévios, não discursou.
No dia 19 de Setembro surgiu em público, numa rara ocasião, em que disse ao parlamento: “Não estou morto”.
Sata, que era chamado de “Rei Cobra” pela sua agressividade verbal, chegou ao poder em Setembro de 2011, após derrotar Rupiah Banda, que tentava a reeleição para um mandato de cinco anos.
Nascido em 1937 em Mpika, Sata foi polícia, ferroviário e sindicalista antes de entrar na política em 1963, um ano antes da independência da Zâmbia.
Após uma longa carreira política, o “Rei Cobra” foi candidato nas eleições de 2006, onde se apresentou como defensor dos pobres, e concorreu com Levy Mwanawasa, que o venceu naquela ocasião, mas que acabaria morrendo em Agosto de 2008 por um derrame cerebral.
O próprio Sata sofreu um ataque cardíaco em Abril daquele ano, o que não o impediu de se candidatar às eleições de Outubro de 2008, que terminou com a vitória de Rupiah Banda, por dois pontos de diferença.  
SCOTT SUBSTITUI SATA
O VICE-presidente da Zâmbia, Guy Scott (foto), foi nomeado ontem chefe de Estado interino na sequência da morte do Presidente Michael Sata, tornando-se o primeiro líder branco na África Subsahariana desde o sul-africano Frederick de Klerk.
O ministro da Defesa e Justiça, Edgar Lungu, disse que Scott ocupará o cargo até as eleições que provavelmente se realizarão no prazo de 90 dias.
“O doutor Scott será o Presidente da República da Zâmbia até o país realizar as eleições presidenciais”, declarou Lungu.
O anúncio evita uma possível crise constitucional, já que Lungu e Scott poderiam disputar o poder.
Lungu, um membro poderoso do partido Frente Patriótica (PF, sigla em inglês), no poder, foi nomeado Presidente interino por Sata quando este partiu, semana passada, para o Reino Unido em busca de tratamento médico.
Scotty e Lungu pertencem a facções rivais dentro da PF.
No entanto, Scott, de 70 anos, não é elegível para o cargo de Presidente devido às regras de parentesco com estrangeiros, impostas pela constituição zambiana de 1996.
 

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Concurso de Redaccoes das Escolas Secundarias da SADC em 2015



ANÚNCIO
A Comissão Nacional da SADC, em Moçambique, anuncia o lançamento do 17º CONCURSO DE REDACÇÕES PARA ESCOLAS SECUNDÁRIAS DA SADC aberto para todos os estudantes nacionais matriculados nas escolas estatais e privadas nas 8ª, 9ª, 10ª, 11ª e 12ª classes, no ano lectivo de 2015.

REGULAMENTO DO CONCURSO
A 34ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da SADC adoptou o seguinte Lema, em Agosto de 2014: "Exploração dos Recursos Regionais Diversificados para o Desenvolvimento Económico e Social Sustentável através da Beneficiação e do Acréscimo de Valor”. Desenvolva as modalidades através das quais esses recursos resultariam em desenvolvimento económico sustentável.

1.    Na redacção, o concorrente deve:

a)    Discutir os recursos naturais abundantes em relação ao desenvolvimento económico na região da SADC como um todo, destacando os assuntos de apropriação, valores e benefícios monetários anuais daí resultantes ao longo dos últimos cinco anos. (20 Pontos)

b)    Responder se a região da SADC beneficiou da sua abundância de recursos naturais desde a democratização total devido à queda do regime de Apartheid na África do Sul em 1994. (15 Pontos)

c)    Discutir a beneficiação e o acréscimo de valor, com propostas concretas para a região da SADC sobre a apropriação e o processamento dos recursos minerais/naturais e como beneficiaram aos cidadãos da SADC, se tal tiver acontecido, e o que pode ser melhorado com vista a maximizar os benefícios para a cidadania da SADC. (20 Pontos)

d)    Discutir como a região da SADC deverá implementar o Lema da 34ª Cimeira para o mesmo beneficiar toda a região, incluindo alguns dos seus Estados Membros que não poderão ter tantos recursos naturais como os outros. (15 Pontos)

e)    Discutir o papel a ser desempenhado na operacionalização do Lema da 34ª Cimeira pelos actores não-estatais na região da SADC, nomeadamente, sector privado, organizações não-governamentais, autoridades tradicionais e comunidades locais. (15 Pontos)
f)     Como estudante do ensino secundário, recomendar o papel da educação na operacionalização do Lema da 34ª Cimeira para beneficiar o sector da educação em toda a região. (15 Pontos)

2.    Todos os trabalhos a concurso deverão (i) ter entre 1.500 e 2.000 palavras e (ii) ser numa das línguas de trabalho da SADC, nomeadamente, inglês, português e francês. Embora os trabalhos a concurso possam ser manuscritos, os concorrentes são encorajados a dactilografar as suas redacções.
3.    Os trabalhos a concurso deverão conter todos os detalhes de contacto do concorrente, incluindo endereço físico, números de telefone/telemóvel e, onde for aplicável, de fax e endereço de correio electrónico (E-mail), nome do estudante concorrente, da escola e da província. Todos os dados sobre o concorrente devem constar apenas na última página e esta não deve conter conteúdo da redacção.
4.    Os trabalhos a concurso devem ser submetidos às Direcções Provinciais de Educação e Cultura, até dia 30 de Abril de 2015. Cada Direcção Provincial de Educação e Cultura fará o apuramento das três melhores redacções a nível provincial e submetê-las ao Ponto Provincial de Contacto da CONSADC, até 11 de Maio de 2015, e submeterá a lista dos vencedores à consadc@yahoo.com

Os Pontos Provinciais de Contacto da CONSADC são:

Cabo Delgado:
Direcção Provincial do Plano e Finanças
Niassa:
Direcção Provincial dos Transportes e Comunicações
Nampula:
Direcção Provincial dos Transportes e Comunicações
Tete:
Direcção Provincial do Trabalho
Zambézia:
Direcção Provincial da Indústria e Comércio
Manica:
Direcção Provincial da Agricultura
Sofala
Direcção Provincial dos Transportes e Comunicações
Inhambane:
Direcção Provincial dos Transportes e Comunicações
Gaza:
Direcção Provincial da Indústria e Comércio
Maputo
Direcção Provincial dos Transportes e Comunicações
Cidade de Maputo
Direcção da Indústria e Comércio

5.Da decisão do Júri Provincial não há recurso.
6.Cada Ponto Provincial de Contacto da CONSADC submeterá ao Secretariado Técnico da CONSADC, em Maputo, as três melhores redacções da província, por correio electrónico, em formato de WORD, até 15 de Maio de 2015 (consadc@yahoo.com) e as redacções em formato físico, até 20 de Maio de 2015.
7.Os trabalhos a concurso recebidos das províncias serão analisados por um júri, a nível nacional, constituído por elementos a serem indicados pelo Director da CONSADC, sob a proposta do Ministério da Educação, que seleccionará as três melhores obras para serem submetidas ao Secretariado da SADC, em Botswana.
8.    Os vencedores a nível nacional em Moçambique serão anunciados no dia 29 de Maio de 2015 e os prémios serão atribuídos numa cerimónia pública, na Cidade de Maputo, por ocasião das comemorações do Dia da SADC: 17 de Agosto.
9.    Haverá três prémios nacionais que serão atribuídos da seguinte maneira: 1º Prémio = o equivalente a USD500 em meticais; 2º Prémio = o equivalente a USD300 em meticais; e 3º Prémio = o equivalente a USD200 em meticais
10.  Da decisão do Júri Nacional não há recurso.
11.  Os três vencedores a nível nacional de cada Estado Membro competirão depois a nível regional.
12.  Haverá três prémios regionais que serão atribuídos da seguinte maneira: 1º Prémio = USD1.500; 2º Prémio = USD1.000 e 3º Prémio = USD750
13.  Os três vencedores regionais participarão em Agosto de 2015 na Cerimónia de Abertura da Cimeira dos Chefes de Estado e/ou Governo da SADC, na República do Botswana, onde o vencedor do Primeiro Prémio vai ler passagens da sua redacção.
14.  Peritos do Secretariado da SADC supervisarão o processo de classificação das redacções submetidas a concurso na fase regional.
15.  Da decisão do Júri Regional não há recurso.
16.  Os familiares directos dos quadros do Secretariado da SADC, das Comissões Nacionais da SADC e dos Coordenadores Nacionais dos Media da SADC e dos Pontos Nacionais de Contacto da SADC bem como dos Pontos de Contacto da CONSADC a níveis central, provincial e distrital, não participam no concurso.
17.  Recomenda-se que exemplares do regulamento deste Concurso sejam afixados nas vitrinas de todas as escolas das 8ª, 9ª, 10ª, 11ª e 12ª classes.
18.  Cópia deste Regulamento está também disponível no Portal da CONSADC: www.consadcmocambique.blogspot.com

Maputo, 23 de Outubro de 2014.